segunda-feira, 28 de abril de 2014

O aprendiz de kimbanda

reza após reza, i. é.
verso após verso
eu
insisto

e trabalho de noite
que é quando
a concentração logra
um misticismo mais profundo

e utilizo de tudo
para fabricar as palavras:

homens pedras ervas animais

depois saio, afivelando
a minha horrenda máscara
de makixe
e gritando os meus
espantos medonhos:


medo sangue raiva morte


João Melo

Sem comentários: