sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

No mesmo mar

desarrumado rumos arrumámos
(munhungando ventos)
contraventos

exílio
azeda espuma
os portos deportação
oceano negreiro

branca rosa
chegadas formosas
caminho humano nele
traçamos

Jorge Macedo

1 comentário:

Majo disse...

Poesia de sofrimento, saudade,
quimeras e sonhos...