quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Moringue

no silêncio-claridade
da manhã das noites
escrevo a luz da poesia
moldada em versos
vermelhos de terracota
como se fossem moringues
de água fresca e pura
e, no entanto, sabem
os deuses eu sou um filho
espúrio da terra que amo,
negra na raiz  vermelha
do corpo e da alma
sangue molhado a gritar
na força kazumbi-kwanza.

Namibiano Ferreira

Sem comentários: