sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Grito de desespero


o fogo no turbilhão da distância…
as massembas da loucura
dando-se todas
aos ritmos alucinados
das marimbas
chamando os feiticeiros
à orgia da carne proibida…
e os meus sonhos
perdendo-se na distância
são mulolas tocando o ocaso
coberto de fumo…

que o meu grito de desespero
se crave nesta hora
no peito dos homens
que amam a guerra
e o choro das mães
perdendo os seus filhos
no escuro
das noites invadidas…

Jorge Arrimar

Sem comentários: