quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Circunstância

sobre a ânsia de pão
derramada na vermelhidão ardente da areia
dos muceques

sobre a certeza firme
da força
no olhar choroso da criança negra

sobre a inutilidade da hora
do mundo parado
suspenso ante o sonho

a tua ausência amor
a tua ausência caindo em mim
suave e dolorosa
distinta e múltipla
como lá fora os bagos de chuva
sobre o enlameado do chão.

Agostinho Neto

1 comentário:

Elen de Moraes K borboleta poeta disse...

Uma bela e intensa poesia, tão melancólica e sentida quanto a dor pela ausência do amor.
Bravo!