segunda-feira, 21 de maio de 2012

O corpo antigo

a porta larga do curral ficou pequena
todos queriam entrar ao mesmo tempo
olhar teu corpo antigo
tu o da garça branca que planava nas alturas
tu o mais esperto que o milhafre
tu o filho da multidão
o chamador da chuva
o bicho cinzento das mulheres
voltaste mudo e sem o arco
meu marido
e nem sequer pude ofertar-te
a pulseira do clã
a erva do sacrifício
as doces coxas das rãs
o meu cabelo.

Paula Tavares

Sem comentários: