segunda-feira, 2 de abril de 2012

Poema segundo de um canto de acusação

para Castro Soromenho


quando a manhã desperte:
                                                                o sol.

caminho longo
homens livres
olhos rasgados
sigam a rota do sol
ondas do mar   deserto   escravos e areia
                                                               o sol
este sol de praias
cálido e sensual
                                                                     o sabor lento na tarde calma
banhada de whisky e coca-cola
abbronzatissima
a cor canela de moda.

sol do ócio que enegrece a pele
e preenche cartazes de turismo
                                                     o sol.

quando a terra ao estender de mão
claro cobertor de areia e mais ao sul
verde capaz de sufocar todas as cores
serpentes de espelhos longos penetrando o mar
quando a sombra dos corpos
for tão negra
                                                       como os próprios corpos da sombra
áfrica.

em áfrica
onde o sol não enegrece mais a negrura
mas enegrece o sonho livre dos  homens.
                                                      o sol!

o sol das praias dos homens sem praia
sem esplanadas             made in
o sol dos músculos dos homens de barro
do ritmo sem descanso dos músculos dos homens
o sol que rebrilha nas estivas suadas
carregando a seiva dos bancos e companhias anónimas
cavando nas gargantas
o sabor desconhecido do pão.

quando o algodão
quando os bagos vermelhos do café
e o vermelho do ferro
e o vermelho do diamante
o rubro do mar e da terra;
o meu país
esta imensa forma de um quadrado
vermelha porque tinta
de um vermelho-vivo com pinceladas napalm
                            o sol!

que o sol tem o calor de um homem novo
orgulhosamente vencendo negro
para o sol de todos os homens.

Costa Andrade