segunda-feira, 5 de março de 2012

Momento místico

ando a conversar com os ventos,
para que os ventos me contem, noite e dia,
histórias do quinjango e da rainha jinga.
e a voz dos ventos é uma eterna cantiga
(gritos épicos, líricos lamentos)
onde o meu verso escuta a voz da poesia.

converso com as chuvas e com os rios,
que contam a chorar contos da minha terra.
e é na chuva e no rio que meus olhos frios
descobrem o pranto ardente
onde a alegria se encerra
- e o meu verso encontra o ritmo fluente.

e converso com montes e nuvens – vultos vivos
de grandes negros mortos, tão livres, não cativos.
(aiué, quinjango, aiué!)
e na forma das nuvens e montes o meu verso,
tocado pela lenda e pela fé,
encontra a sua imagem e seu berço.

Geraldo Bessa Victor

Sem comentários: