segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Permanência

continua o corpo. o corpo continua sentado.
nos fumos das ervas. rectifico.
nos fumos do mar, nas nuvens do olhar

esperando na madrugada do tempo
pelas promessas prometidas. rectifico.
pelas cores dos céus novos: o dia, a noite

onde veias de lágrimas, túneis de dores
não palparei, não verei.
veias de lágrimas apenas para escutar
nas memórias do Outono.

João Maimona

Sem comentários: