segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Vunge

anoitece de repente
no musseque burity
e aquela fula gentia,
trazida de longes terras,
é a noite do calvário
constantemente a chorar.

no mar um barco partia,
e seguia, rumo ao norte
levando o seu namorado
para a vida militar.

e vunge, a fula gentia
chorava perdidamente!

ao longe já mal se via,
uma luz verde, - tão verde! -
que no mar largo seguia!

um grande amor só é grande
quando algum dia se perde.

e vunge, a fula gentia
a do sorriso de prata,
a chorar quase se mata
a chorar quase sorri...

anoitece de repente
no musseque burity

Tomaz Vieira da Cruz