segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Tempo da História

ao princípio, o viril desflorar do medo,
lúcida loucura e cobiça e fé e garbo
a rematar uma nação quatro séculos alfim,
sem medir quantas lanças, quanto sangue.

declamaram-se versos de epopeia
espontânea e sem freio.
amaram-se corpos de sol e canela
e de sal e tufões, o leito.

desfolhada a rosa-dos-ventos,
ficou ainda a memória viva
a reter, donairoso, o sonho.

da rosa-dos-ventos, agora,
suas pétalas e a loucura e o garbo
que lábaro, que labéu, que lamúria?

Tomaz Kim