quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Canção do exílio

encerrar-te-ia na palavra
amor
escrever-te-ia um poema
hora
dir-te-ia a dor que dói

escrever-te-ia um poema
não
o vento vai entre o medo e o verde
noite
dir-te-ia áfrica dir-te-ia uma roa
medo

escrever-te-ia um poema longe
exílio
violão corpo feito de negro
amor
a dor dada na razão
separação

escrever-te-ia um poema
rasgo
o concreto recto dos olhos
dança
entregue ao amor gasto
das sílabas

serena senhora minha
sem longe   morta


David Mestre

1 comentário:

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Um grande mestre de poesia...
Obrigado.