sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Carta para Havana

sem lágrimas caídas
em lenço já molhado.
sem sonhos repartidos
no passado...

tarde de agosto
ao gosto
de quem ama.
saber falar baixinho
saber escutar quietinho
e deixar,
com alma de escuteiro,

derramar
por sobre o travesseiro,
rosas e rosas e rosas.
que importa que as rosas
tenham espinhos?...

Aires de Almeida Santos

Sem comentários: