segunda-feira, 25 de julho de 2011

Tudo é alguma coisa

diante da felicidade
da prosperidade
longas filas.

nos bairros nus
tantos corpos nus por vestir
crianças perdidas por salvar
palavras obscuras por apagar
do livro do mundo -
se o ler, perco a minha vista.

tudo está nas pedras do caminho.
tudo é alguma coisa.

em torno dessa alguma coisa
eu escondo a minha pele
transformo-me em nada.
mergulhado numa água por branquear.

João Maimona

1 comentário:

J.Nunez disse...

a internet e a lingua portuguesa me possibilita comunicar com Angola