sexta-feira, 29 de julho de 2011

Novembrina solene

seu zuzé, as tuas vacas, como estão?

longe daqui
subimos os morros

fomos procurar
a água que resta
do ano que passa.

senhora luna
a farinha?

está secar

tarda a chuva
seca o milho

a lavra não vai medrar.

chimutengue, meu vizinho
então por cá?

pois que vim te visitar
te avisar
que o meu gado vai passar
aqui por perto

tarda a chuva e é preciso
procurar
o que lhe dar de comer
o que lhe dar de beber

o capim está ficar negro
está na hora de mudar.

Imigrante silva, a tua mulher?

está mal.
que é do leite pra lhe dar
a carne pra lhe engordar?

e os filhos?

estão magrinhos
doentados
vão ficar igual com o pai.

que é da escola pra lhes dar
sapatos pra lhes claçar
ofício pra lhe ensinar?

dunduma amigo
companheiro chipa
zeca, Ernesto, calembera,
olhai pelo gado.
protegei  os pastos.
olhai pela vida das fêmeas
e pela saúde dos machos.

Ruy Duarte de Carvalho