segunda-feira, 16 de maio de 2011

Poema

escorre o punhal
na esteira
para a combustão
do procriar

rio de ventre sem água

Samuel de Sousa

Sem comentários: