segunda-feira, 2 de maio de 2011

Kalundu

ouves o vento a gemer,
no meio do mato, à noite,
sentes o vento a correr,
cada vez mais agitado?
zuu… zuu… zuu…
o vento tem kalundu…

ouves a leoa rugindo,
com ciúmes do leão,
com apetites de fera,
ouves a leoa bramindo?
uuu… uuu… uuu…
a leoa tem kalundu…

não vês o mar trovejando,
ameaçador, furibundo,
como se nele existissem,
enraivadas,
todas almas do outro mundo?...
não vês o mar rebramando?
uuuu… uuuu… uuuu…
o mar tem kalundu…

não vês o fogo incendiando
as libatas, as anzalas,
as lavras, tudo arrasando?
não vês o fogo, o demónio,
que é o próprio belzebu
em forma de labareda?
o fogo tem kalundu…

não vês o sol, ao meio-dia,
quando é mais forte o verão,
quando o calor é mais forte,
o sol escaldando o chão,
dando febre a todas coisas,
- o sol que é fogo do inferno
além da vida e da morte?
o sol tem kalundu…
como tu!

- mas tu és mais do que o vento,
mais que a leoa, que o mar,
mais do que o sol e que o fogo,
quando está a batucar…

não há sol que queime tanto,
fogo que incendeie tanto,
como o teu olhar me queima,
me incendeia, o teu olhar,
que até me deixa em quebranto…

não há vaga, não há mar,
que ondeie tanto e requebre
como o teu corpo selvagem,
que é mais ligeiro que a lebre
e se torce mais que a cobra,
em fantástica manobra,
e mexe-se mais que o vento,
- teu corpo, forma de vento,
que baila e que faz bailar…

e as garras com que me prendes,
e em que me deixo prender,
não as possui a leoa;
porque o teu jugo não mata,
nem magoa,
mas dá vida e dá prazer!

quando tu danças cantando,
cantando e dançando assim,
batucando, batucando,
e a noite se faz mais negra
e o batuque não tem fim,
o teu corpo quase voando,
belo, sensual, ardente,
o teu dorso semi-nú…
… parece que a vida és tu!
e tu, e eu, toda a gente
à roda do teu batuque,
e tudo quanto nos cerca,
- tudo tem kalundu…

Geraldo Bessa Victor

Sem comentários: