segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Luta com fantasmas

como tu, ó poeta, eu me pergunto
nesta hora de tortura,
porquê “sans amour et sans haine
mon coeur a tant de peine?”

afasta-te, ó sombra de verlaine…

lá fora brilha o sol e eu quero cantá-lo a toda a altura…
num recanto da vida chora uma criança
e eu quero embalá-la nos meus braços…
nos cais a humanidade apodrece viva
e eu quero amá-la de todo o meu coração…

“mon coeur a tant de peine”…
afasta-te, ó sombra de verlaine!

Lilia da Fonseca

Sem comentários: