sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dikolombolo diàdilé

dikolombolo diàdilé
kuàkié…
kuáki kiá
kuma kuáki kiá!

nasceu o sol
a nossa palhota está a arder
a palhota da nossa adolescência

kuáki!

nasceu o sol
já somos mulher
a nossa palhota está a arder
o céu nascente está vermelho
vermelho os caminhos para as sanzalas

nasceu o sol
já somos mulher
nos altos da romarias
melodias do alvorecer

kuáki!

nasceu o sol
o sil viril
violentando a terra-mulher
a terra-mulher nossa irmã
com as carnes sensuais
empapadas de desejos
manhã inaudita
os frutos sazonados
aguardam mãos robustas
para a colheita

kuáki!

nasceu o sol
em aleluia que perdura
e se prolonga nos caminhos
percorridos sem descanso

kuáki!

Nasceu o sol
O sol
O sol

não há fronteiras na distância
nas nossas bocas a ânsia
da nova idade
e nos corpos as angústias da fercundidade

Samuel de Sousa

Sem comentários: