quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Momento com mulata

busquei nos teus olhos um refúgio
e puz tuzekueto numa pausa
que teus cílios fizeram ao pousar

minhas encruzilhadas junto teus pés
na disakela da tarde escureceram
condenssando meu destino sem perdão

porém tu eras longe
na mão do tempo
redemoinho desfrisado sonho rente
alucinada de néon
tu eras longe

enquanto
adejavas insolúvel nessa rua
sob a nódoa de caju da tua origem
no devaneio que te perde
e te renasce

Arnaldo Santos

2 comentários:

Florentino disse...

aqui encotro a milha alma Bom dia..

soninha disse...

Simplesmente belo!bjs