segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Vejo teus dedos queimar

Em cavernas de lilás e mar
jaz a minha alma a mendigar,
a bailar
reflexos, cemitério, luar...
Num altar
vejo teus dedos queimar
rosas,
ecos, sombras sedosas
de mim,
por mim,
em noites de sândalo criadas,
em noites de bronze destroçadas...

Tomaz Kim

1 comentário:

soninha disse...

Em poucos versos a beleza radiante.bjs