segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Tambor

tambor, vale bater-lhe
com a força das mãos, da voz
gasta na boca atirada por dentro
do grito

tambor, com os dentes
o nome da vida é
fala a rasgar-se contra
as paredes da pele: negra

tambor, nocturno interno nome
nas áreas baleadas do silêncio
quando os músculos se quebram na curva
dos ombros:
tambor, vale bater-lhe com a cara

David Mestre

Sem comentários: