segunda-feira, 26 de abril de 2010

Serão de menino

na noite morna, escura de breu
enquanto na vasta sanzala do céu
de volta de estrelas, quais fogaréus,
os anjos escutam parábolas de santos…

na noite de breu
ao quente da voz
de suas avós,
meninos se encantam
de contos bantus…

“era uma vez uma corça
dona de cabra sem macho…

……………………………………………

… matreiro, o cágado lento
tuc… tuc… foi entrando
para o conselho animal…
(“-tão tarde que ele chegou!”)
abriu a boca e falou –
deu a sentença final:
“- não tenham medo da força!
se o leão o alheio retém
- luta ao mal! Vitória ao bem!
tire-se ao leão, dê-se à corça.”

mas quando lá fora
o vento irado nas frestas chora
e ramos xuaxualha de altas mulembas
e portas bambas batem em massembas
os meninos se apertam de olhos abertos
- eué
- é casumbi

e a gente grande –
bem perto dali
feijão descascando para a quitanda –
a gente grande com gosto ri…

com gosto ri, porque ela diz
que o casumbi males só faz
a quem não tem amor, aos mais
seres buscam, em negra noite,
essa outra voz de casumbi
essa outra voz – felicidade…

Viriato da Cruz

1 comentário:

soninha disse...

Amo esta maneira descontraída e solta de fazer poesia qual um recitado monólogo.Perfeito.bjs