segunda-feira, 19 de abril de 2010

Apelo importuno

nas nuvens onde vou chorando
sobre os olhos de amanhã
nascem e morrem dias sem sol
repletos de pontos de interrogação.

na estrada onde vou cantando
as imagens destroçadas
inclinam-se cantos estropiados.
e nos meus braços desfilam
homens e mulheres anunciados
nas cassetes.

- Escrutai e cantai comigo
os olhos de amanhã

João Maimona