quarta-feira, 31 de março de 2010

Último poema

sair do temporal

é ganhar tempo pra coser as velas,
é ganhar tempo pra fazer aguada
e aparelhar.
o meu destino certo e tão inquieto
é o destino trémulo e concreto
duma agulha de marear.

ah, não esperem que eu não espere,
nem acreditem que eu tema
ou que eu possa naufragar…
numa vela renovada
há insistência pra conter o vento,
há arrogância pra conter o mundo,
há energia pra domar o tempo
e força pra singrar.


sair do temporal
é ter a nostalgia do combate
que vai recomeçar.

tomei o gosto às horas de calema
e sou irmão do mar.

Cochat Osório

2 comentários:

Fernando Ribeiro disse...

Caro Kinaxixi,
Há uma pequena gralha nesta transcrição de um excelente poema do angolano Cochat Osório. Em vez de "agulha de marcar" deveria estar escrito "agulha de marear", que é sinónimo de bússola.

Obrigado pelos belíssimos poemas que nos vai revelando.

kinaxixi disse...

Obrigado pela correcção. foi o que se chama uma gralha. Desatenção, claro.

Um abraço