quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Sarita

sarita mora no musseque,
sofre no musseque,
mas passeia garrida na baixa
toda vermelha e azul,
toda sorriso branco de marfim,
e os brancos ficam a olhar,
perdidos no seu olhar.
sarita usa brincos amarelos de lata
penteado de deusa egípcia
andar de gazela no mato,
desce à cidade
e sorri para toda a gente.
depois , às seis e meia,
sarita vai viver pró musseque
com os brancos perdidos no seu olhar!

António Cardoso

3 comentários:

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Obrigado pela poesia da Banda!
Continue...
Kandandu

Moacy Cirne disse...

Luanda
Luanda
Luanda

No Balaio.

Um abraço/Kandandu.

Ana Tapadas disse...

Poema de grande ritmo e sonoridade.
Bj