quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

A minha sina

é sem norte a minha vida,
e n’um mar revolto vivo;
escravo de dura lida
eu sou a tudo captivo;
atraz do ignoto corro,
e na lucta eu soffro, eu morro



Cordeiro da Matta

Sem comentários: